A questão nacional

 Luís Fazenda

Quando ouvi Ana Pontón, do Bloco Nacionalista Galego, dizer num impressivo comício que “o nacionalismo era o antídoto do imperialismo”, pensei que lá estava uma frase que podia ser sonora em Santiago de Compostela e aí juntar para a esquerda, mas não teria sentido em Paris, por exemplo, onde o nacionalismo hoje representa a extrema-direita, sendo a França uma potência militar e detendo uma trágica história de poderio colonial. E se Marine Le Pen, da Frente Nacional, advoga o fim da União Europeia para se separar da Alemanha, não deixa de ser uma aliada do lado mais belicista do imperialismo americano, dos trumps e fascistóides. Continue reading “A questão nacional”

Anúncios