Ralph Ellison – The invisible man

 Sara Azul Santos 

“When I discover who I am, I’ll be free.” [i]

Invisible Man ou o “homem invisível” foi publicado em 1952 e constitui uma das obras mais importantes na reivindicação e luta pelos direitos afro-americanos nos Estados Unidos da América.

Ellison sentia que o partido comunista traía a causa afro-americana, aliando-se à burguesia americana. A resposta que Ellison arranjou para combater este preconceito ainda existente foi escrever “The invisible man”.

O homem invisível conta a história de um homem que se diz invisível devido ao seu tom de pele. Não é no entanto literalmente invisível, apenas se sente assim dado ao seu estado de invisibilidade perante a sociedade sua contemporânea. Existe neste romance uma clara discriminação no que toca à vida do narrador, que se vê sempre numa posição de inferioridade ou de invisibilidade face à supremacia branca imposta na sociedade americana. A impotência do narrador é pois espalhada com esta passagem:

“Power doesn’t have to show off. Power is confident, self-assuring, self-starting and self-stopping, self-warming and self-justifying. When you have it, you know it.” [ii]

Claramente o poder que este narrador fala não se aplica a ele mesmo, sendo a sua impotência exposta sob a forma de invisibilidade, sendo esta mesma invisibilidade só tardiamente reconhecida e combatida pela sociedade norte-americana, apesar de décadas após a abolição da escravatura.

“I do not know if all cops are poets, but I know that all cops carry guns with triggers.” [iii]

A violência policial contra a comunidade afro-americana era sentida com força nos anos 30, década em que este romance se passa, porém a violência no século XXI continua com notícias já em 2015 e 2016 sobre violência policial especialmente contra a comunidade afro-americana.

Esta discriminação sente-se de igual forma em relação à educação, dado que o narrador é expulso da faculdade por e segundo o director da mesma, não apresentar uma idealização do homem negro que procuravam para aquela faculdade; à procura de trabalho e às relações interpessoais que o narrador estabelece no seu dia -a – dia. O seu isolamento no momento presente deve-se a todo o percurso.

Apesar do avanço e o impacto que a obra de Ellison surtiu nos anos cinquenta (o que levou Ellison a receber o National book award for fiction em 1953), este livro sofreu alguma censura no que toca a uma personagem previamente concebida por Ellison para ser queer, seria então uma das primeiras personagens queer afro-americanas na literatura estado-unidense.

É urgente pois revisitar este romance e compreender que a invisibilidade de várias comunidades ainda é um problema no mundo contemporâneo.


Imagem: Ralph Ellison – The invisible man. Random House.

Referências:

[i] Quando descobrir quem sou, serei livre.

[ii] O poder não se mostra. O poder é confiante, seguro, exaltante, quente e auto-justificado. Quando tens, sabes que o possuis.

[iii] Não sei se todos os policias são poetas, mas sei que todos os policias carregam armas com gatilhos.

Anúncios